BLOG, BLOCO BURLESCO, MUSA E WEB RÁDIO RESPIRANDO CARNAVAL - O CARNAVAL É O ANO INTEIRO!: HISTÓRIA DOS DESFILES CARNAVALESCOS DO RIO DE JANEIRO (o berço do Carnaval): DÉCADAS DE 60, 70, 80, 90 e 2000






FAZER DOWNLOADS DOS SAMBAS DE ENREDO, LETRAS DE SAMBA DE ENREDO, MAPAS DAS PLANILHAS DAS NOTAS E A PROGRAMAÇÃO DO CARNAVAL CLICA AQUI. E DE OUTRAS CIDADES CLICA AQUI.


terça-feira, 11 de janeiro de 2011

HISTÓRIA DOS DESFILES CARNAVALESCOS DO RIO DE JANEIRO (o berço do Carnaval): DÉCADAS DE 60, 70, 80, 90 e 2000

Fevereiro de 1961: Pela primeira vez se cobrou ingresso.
Fevereiro de 1963: A turma de Fernando Pamplona comanda uma vitória arrasadora do Salgueiro com o enredo "Chica da Silva", considerado um dos mais importantes da história das escolas. Uma das alas passou dançando um minueto, dança do tempo da personagem homenageada. A polêmica em torno das inovações foi grande.
Fevereiro de 1964: As escolas de samba começam a crescer, invadidas pelos foliões de classe média. Portela e Mangueira, que tinham cerca de 90 componentes nos anos 30 se apresentaram com 1.200.
Março de 1965: Para comemorar os 400 anos de fundação do Rio de Janeiro, todas as escolas prepararam enredos sobre o tema. A Portela trouxe uma ala inteira de artistas da TV Exelsior, a mais importante emissora na época. O Império trouxe pela primeira vez um samba feito em parceria por uma mulher, dona Ivone Lara em "Os cinco bailes da História do Rio". A maior gafe do desfile, vencido pelo Salgueiro, foi cometido por um jurado de mestre-sla e porta-bandeira, que atribuiu notas mais altas (6 e 8) ao casal da Imperatriz Leopoldinense que a da famosa Neide da Mangueira. Poderia ser apenas uma questão de gosto não fosse pelo fato que o casal da outra escola não desfilou porque a fantasia não chegara a tempo.
Fevereiro de 1966: Choveu muito no Rio e a sede e o barracão da Império da Tijuca foi completamente destruído. A escola passou na avenida apenas com um grupo de sambistas, sem dançar ou tocar música. Neste ano, a Portela foi novamente campeã com o único samba-enredo que Paulinho da Viola compôs para a escola.
Fevereiro de 1967: A Portela obtém a colocação mais baixa de sua história até então, sexto lugar.
Fevereiro de 1969: O Império Serrano tinha em "Heróis da Liberdade" um dos mais belos sambas-enredo da história, segundo os especialistas. Mas os militares, que acabavam de editar o AI-5, achavam que o samba homenageava a oposição ao regime. Depois de muita negociação a escola não foi obrigada a mudar o enredo, mas teve de alterar alguns versos do samba-enredo. O vencedor do ano foi o Salgueiro. Ismael Silva, um dos criadores das escolas de samba, não pôde assistir o desfile porque não tinha dinheiro para pagar ingresso. O secretário de Turismo no Rio sequer o recebeu. Alegou que não sabia quem ele era.
Fevereiro de 1970: Para evitar o atraso foi reinstituído o quesito cronometragem. Os desfiles então começavam no começo do domingo e só acabavam por volta de meio-dia de segunda. O Império Serrano, punido, ameaçou não desfilar no ano seguinte. Mesmo com o pedido das outras escolas, a organização não deu de volta os pontos para a escola. Este carnaval marcou a última vez em que a poderosa Portela vencia sozinha um desfile.

Fevereiro de 1971: O Salgueiro introduz na história do carnaval o samba de caráter popular, com "Festa para um rei negro", mais conhecido como "Pega no Ganzê". O conhecido refrão "Olelê olalá/Pega no ganzê, pega no ganzá" foi um sucesso absoluto e a escola vence mais uma vez o carnaval.
Fevereiro de 1972: O gigantismo das escolas preocupava os sambistas. Eles já contavam com cerca de 2.500 figurantes. Ficava cada vez mais difícil que todos cantassem o samba sincronizadamente. "Atravessar" o samba tornou-se um problema freqüente. A Portela deu aos componentes radinhos de pilha para que ouvissem a transmissão das rádios e não atravessassem. No mesmo ano, o Salgueiro causou polêmica ao homenagear a sua madrinha, a Mangueira. O Império Serrano venceu o desfile, no que foi o seu último momento antes de entrar em crise. A Associação das Escolas de Samba entrou com ação na justiça para que as TVs pagassem pelo direito de transmissão. A decisão não saiu até o carnaval.
1973: As escolas assinam contrato com a gravadora Top Tape para gravar o disco dos sambas-enredo, que logo se transforma em fenômeno de vendas. A Associação assina contrato com a TV Rio para comercialização de fitas com o desfile no exterior. O samba-enredo se torna um negócio rentável. A bateria da Portela tem um colapso no desfile e perde completamente a cadência. Os portelenses consideram este como um dos maiores desastres da história da escola.
Fevereiro de 1974: As obras do Metrô obrigam o desfile a ser transferido para a Avenida Antônio Carlos. Neste ano o Salgueiro venceu com um enredo concebido por Joãosinho Trinta. Um dos destaques foi a Mocidade Independente, escola até então pequena, que desfilou com muito luxo graças ao apoio financeiro cada vez maior de Castor de Andrade. A Portela permitia, quebrando uma tradição, que compositores de fora da escola, fizessem o samba-enredo, causando revolta interna.
Fim de 1974: Portelense ilustre, o sambista Candeia deixa a escola e funda a Quilombo, escola que reuniria uma série de descontentes com os rumos das escolas de samba. Ela era uma tentativa de resistência, de volta às tradições. Convidou sambistas famosos e não exigiu exclusividade. A escola não competiria com as demais.
1975: Logo depois do carnaval em que o Salgueiro conquistou o bicampeonato, o banqueiro de bicho Anísio Abraão David resolve assumir a então modesta Beija-flor de Nilópolis. Contrtou Joãosinho Trinta por cifras nunca reveladas.
Fevereiro de 1976: A Beija-flor, com muito luxo inimaginável para as escolas de samba então, desfila com um enredo em homenagem ao jogo do bicho, "Sonhar com Rei dá Leão" e fatura o título. Era a primeira vez desde 1937 que a campeã do carnaval não era uma das quatro grandes, Portela, Mangueira, Império Serrano ou Salgueiro. A pequena Em Cima da Hora, desfila "Os Sertões", samba que está entre os mais citados como melhor de todos. Acabou em penúltimo lugar.
Fevereiro de 1977: A Mangueira resolve voltar às tradições e apresenta na Comissão de Frente todos os seus fundadores mais ilustres. As escolas tradicionais resolvem investir em sua qualidades para combater a riqueza da Beija-flor ou Mocidade. A Beija-flor é bicampeã.
1978 e 1979: Em 1978, pela primeira vez o desfile aconteceu no seu local definitivo, a rua Marquês de Sapucaí. Venceu de novo a Beija-flor. Império Serrano e Vila Isabel são rebaixados para o segundo grupo. Neste mesmo ano morreu Candeia, apresentando o fim da Quilombo. No ano seguinte foi a vez da Mocidade com a escola de Nilópolis em segundo. O ilustre mangueirense Cartola anunciou que não iria desfilar pela Mangueira porque não agüentava correr. "Isto não é carnaval, é parada militar", protestava contra a obrigatoriedade de desfilar em 80 minutos.
Fevereiro de 1980: Três escolas vencem o carnaval: Beija-flor, Imperatriz Leopoldinense e, pela primeira vez em 10 anos a Portela.
Novembro de 1980: Morre Cartola, um dos maiores nomes da Mangueira.

Fevereiro de 1981: No bicampeonato da Imperatriz que se incorporou ao grupo das grandes, a surpresa foi a colocação do Império Serrano e da Vila Isabel, nas duas últimas posições. Mas a confusão da pista havia sido tão grande que as escolas resolveram não rebaixar ninguém.
Fevereiro de 1982: O Império Serrano sai do último para o primeiro lugar, com o enredo "Bum, bum, paticumbum, prugurundum", que criticava as "Escolas de Samba S.A.". Naquele ano foi proibida a presença de destaques nos carros alegóricos. Beija-flor e Imperatriz desrespeitam a regra e perderam pontos.
Fevereiro de 1983: A Beija-flor consegue mais um título num enredo sobre negros ilustres como Pelé e Clementina de Jesus. Naquele ano a luz apagou durante o desfile da Caprichosos de Pilares. Assim, ficou decidido que ninguém desceria.
Julho de 1983: Os sambistas sugerem a divisão do desfile em dois dias, cada um com 7 escolas.
Setembro de 1983: O governador Leonel Brizola resolve erguer um local definitivo para acabar com o monta e desmonta de arquibancadas metálicas. O projeto de Oscar Niemeyer foi erguido em apenas 4 meses.
Final de 1983: A escola de samba Unidos de São Carlos, fundada em 1955, resolve mudar de nome para Estácio de Sá, para levar o nome que é conhecido no Rio de Janeiro como o berço do samba. Coincidência ou não, depois da mudança, a escola que era considerada um "ioiô" (aquela agremiação que alterna com freqüência desfiles no primeiro grupo e no segundo grupo) nunca mais caiu, só caindo em 1997.
Março de 1984: Este carnaval teria duas campeãs. Uma para cada dia. Para dar haver uma campeã inventaram que no sábado seguinte haveria um supercampeonato com as três melhores de cada dia. As escolas estrearam o "Sambódromo", como ficou popularmente conhecido em dois dias de desfile. O desafio enfrentado pelas escolas foi a praça da Apoteose, um local muito amplo que faziam as escolas se desmontarem todas. A Portela foi a campeã do domingo. A Mangueira venceu a segunda e resolveu ignorar a praça da Apoteose. Quando a escola toda havia entrado nela, livre do julgamento, a escola deu meia volta e voltou pela avenida, levando o povo ao delírio.
Julho de 1984: As escolas fundam a Liga Independente das Escolas de Samba com o objetivo de cada vez mais assumir a organização dos desfiles.
1985: A Liga cria um selo próprio para fazer o disco dos sambas-enredo e passa a negociar a transmissão de TV. Estava acabada a "fase romântica das escolas de samba", segundo os especialistas.
Fevereiro de 1988: A Vila Isabel surpreende com um desfile sem brilho e materiais brilhantes, mas inegavelmente bonitos e muita garra. A escola conseguiu seu primeiro título com o enredo "Kizomba, a Festa da Raça".
Fevereiro de 1989: Os especialistas se animaram. Os sambas-enredo sem jeito de marchinha foram os vencedores neste ano assim como no anterior. Mas a grande surpresa não foi da campeã, a Imperatriz. O maior impacto foi pela Beija-flor. A Cúria Metropolitana da Rio de Janeiro soube que a escola traria o Cristo Redentor de abre-alas no enredo "Ratos e Urubus, larguem minha fantasia". O arcebispo conseguiu que a justiça proibisse a alegoria de ser mostrada. No dia do desfile, Joãosinho Trinta apresentou o Cristo coberto em plástico e com uma faixa: "Mesmo proibido, olhai por nós". Embaixo dele uma gigantesca ala de mendigos num tema que abordava o lixo e o luxo da vida brasileira.
1990: A Mocidade Independente conta um enredo sobre membros ilustres da sua história como o Mestre André, diretor que fez a fama da bateria da escola, o puxador Ney Vianna e o carnavalesco Fernando Pinto. A escola vence o carnaval.

1991: Mocidade e Beija-flor instituem o computador para organizar o desfile. A Mangueira escapa por pouco de um vexame, acabando o carnaval em 12º lugar. A Mocidade se sagra bicampeã.
1992: A Liga começa a brigar com a Riotur para assumir totalmente a organização do desfile. Como a Riotur não concordou, as escolas ameaçaram não desfilar na Marquês de Sapucaí. Mas o acordo acabou sendo feito. A Estácio, com um enredo sobre os 70 anos da Semana de Arte Moderna (de 1922) venceu seu primeiro carnaval, tirando da Mocidade a chance do tricampeonato. O desfile teve dois fatos marcantes: um foi o incêndio em um carro da Viradouro que fez a escola praticamente ficar presa na pista. O carro foi totalmente destruído e a escola acabou perdendo a chance de boa colocação com um enredo sobre os ciganos. Depois dela passou pela avenida um modelo completamente nu na Beija-flor. O rapaz disse que o tapa-sexo caiu. Mas a comissão de carnaval acabou punindo a escola, uma vez que o regulamento proíbe a "genitália desnuda".
Fevereiro de 1993: O samba-enredo do Salgueiro "Peguei um Ita no Norte" se tornou o grande sucesso do carnaval, sendo cantado por toda a avenida. A escola vence o carnaval e interrompe um jejum de 18 anos sem vitória.
Maio de 1993: A Justiça condena 13 grandes bicheiros do Rio por formação de quadrilha. Durante o ano foi debatido se as escolas conseguiriam sobreviver sem a ajuda de seus patronos.
1994: Quando todos esperavam que o título do ano fosse ser decidido entre Salgueiro, Portela, Beija-flor ou Mangueira, que empolgaram a platéia, venceu a Imperatriz, com um desfile considerado técnico pelos comentaristas mas que não empolgou o público. Depois de abertos os envelopes dos jurados a Imperatriz ficou conhecida como "escola de resultados". Ficou provado que o esquema empresarial das escolas podia sustentar as escolas.
1995: O grande evento do carnaval era a volta à Portela de pessoas ilustres, sambistas da velha guarda que voltavam com grande empolgação. A escola ficou a apenas 0,5 ponto da bicampeã Imperatriz, apesar da revolta do público no desfile das campeãs.
1996: A Mocidade volta a vencer com um enredo sobre a criação do mundo. A escola entrou de manhã devido a um atraso no desfile. A Portela teve problemas com carros durante o desfile, perdeu pontos de cronometragem e abandonou os carros na dispersão causando um grande congestionamento de carros alegóricos.
1997: A Viradouro, que havia ficado na 13ª colocação no ano anterior, surpreende e conquista seu primeiro campeonato entre as grandes escolas de samba, com enredo concebido por Joãosinho Trinta. Império Serrano e Estácio de Sá caem para o Grupo de Acesso A.
1998: Mangueira, depois de 11 anos, e Beija-Flor, pela primeira vez no sambódromo, faturam o campeonato no ano de 98. Apesar do belo desfile, a Viradouro perde pontos preciosos em bateria, samba-enredo e mestre-sala e porta-bandeira, ficando longe do bicampeonato.
1999: A Imperatriz se sagra campeã com um desfile que não foi tecnicamente perfeito como nos anos anteriores. Problemas de evolução e de acabamento em alegorias, por exemplo, retrataram isso, porém a escola não é punida como deveria. Mocidade Independente emociona avenida com um inesquecível desfile sobre o maestro Villa-Lobos, mas com problemas de evolução, recebe uma nota 7,5 do jurado Carlos Pousa e fica apenas em quarto lugar. Unidos da Tijuca faz um desfile sensacional sobre o índio no Grupo de Acesso e volta ao Grupo Especial. Império Serrano é rebaixada novamente.
2000: Neste ano, desde o quarto centenário do Rio, as escolas de samba do Grupo Especial não faziam um carnaval temático. Desta vez foi em homenagem aos 500 anos do Brasil. Com uma ajuda do governo de mais 500 mil para cada escola, o desfile ficou ainda mais grandioso. A Imperatriz Leopoldinense é novamente bi-campeã do carnaval, falando sobre o descobrimento do Brasil. Vila Isabel é rebaixada para o Grupo de Acesso A e o Império Serrano volta ao Grupo Especial.
Julho de 2000: Morre D. Neuma, baluarte da Mangueira.


2001: A Imperatriz é a primeira tricampeã da era Sambódromo e do novo século. Com um enredo sobre a cana, a escola realiza um desfile apenas correto, e seu título foi bastante contestado, principalmente pela Beija-Flor, que fez um brilhante desfile. A Tradição homenageia Sílvio Santos. Ele desfila no primeiro carro da escola e é ovacionado. União da Ilha cai para o Grupo de Acesso.
2002: A Estação Primeira de Mangueira, com enredo sobre o Nordeste, acontece na avenida e ganha mais um título, acabando com a hegemonia da Imperatriz Leopoldinense. Num carnaval bastante equilibrado, a Mangueira vence por um diferencial: a emoção.
Janeiro de 2003: Morre D. Zica, baluarte da Mangueira.
2003: Antes dos desfiles, o Salgueiro era o grande favorito para ganhar o carnaval. Para falar dos seus 50 anos, contratou Renato Lage, que elaborou alegorias e fantasias belíssimas, tinha um samba popular, enfim, havia uma grande expectativa. Porém, no desfile o seu favoritismo não se confirmou. A escola teve problemas com sua harmonia, veio com componentes demais, e com isso estourou o tempo limite em 4 minutos, ficando somente com um amargo sétimo lugar. A campeã foi a Beija-Flor, com um desfile de gosto duvidoso, em um ano sem grandes desfiles.
2004: Novidade no regulamento: houve a liberação para a reedição de sambas-enredos antigos. Quatro escolas aderiram a idéia: Portela (Lendas e Mistérios da Amazônia), Império Serrano (Aquarela Brasileira), Viradouro (Festa do Círio de Nazaré, da Estácio) e Tradição (Contos de Areia, da Portela). Nenhuma delas ganhou. O campeonato foi mais uma vez da Beija-Flor, que falava sobre a Amazônia. Porém, a sensação do carnaval foi o desfile da Unidos da Tijuca, do estreante carnavalesco Paulo Barros. A escola trouxe carros humanos coreografados, que fizeram muito sucesso, principalmente o que representava o DNA. A Vila Isabel volta ao Grupo Especial.
2005: A Beija-Flor, que contou na avenida a história das Sete Missões do Rio Grande do Sul, conquista o seu segundo tricampeonato, ficando somente um décimo na frente da Unidos da Tijuca. A Portela, com nova diretoria, faz o pior desfile de sua história, com muitos incidentes, inclusive impedindo a sua tradicional velha-guarda de entrar na avenida, e fica em 13º lugar, a uma posição do rebaixamento. Tradição cai para o Grupo de Acesso.
2006: Falando sobre a latinidade, a Unidos de Vila Isabel surpreende e conquista o seu segundo título. Com a mesma pontuação que a Grande Rio, que teve muitas falhas em seu desfile e estourou o tempo máximo de desfile, a escola do bairro de Noel vence no desempate no quesito samba-enredo. Caprichosos de Pilares é rebaixada e Estácio de Sá volta ao Grupo Especial.
Novembro de 2006: Morre Toco, maior compositor da história da Mocidade Independente de Padre Miguel.
2007: Com um grande carnaval, a Beija-Flor conquista mais um título nessa década. O Salgueiro também realiza um excelente desfile com o enredo “Candaces”, mas consegue somente a sétima colocação. lmpério Serrano e Estácio de Sá são rebaixadas para o Grupo de Acesso.
Abril de 2007: A Operação Furação realizada pela Polícia Federal prende, dentre outros membros do esquema de corrupção descoberto por eles, alguns bicheiros envolvidos com o carnaval, como o Anísio, o Capitão Guimarães e o Turcão. Nesta operação, membros da PF deram a entender que havia indícios de armação no resultado para favorecer a Beija-Flor, campeã do último carnaval. Nada foi provado até então.
2008: Pela primeira vez na história do sambódromo, o desfile das grandes escolas passa a contar somente com 12 agremiações, número considerado ideal pela LIESA. Apesar da redução, a qualidade dos desfiles não corresponde, e o desfile segue sem grandes destaques. A campeã mais uma vez é a Beija-Flor, falando sobre Macapá. A Portela conquista a quarta colocação e volta a desfilar entre as campeãs depois de dez anos.
Junho de 2008: Morre Jamelão, intérprete da Mangueira.
2009: Com a crise financeira que abateu o mundo em 2008, muitas escolas tiveram dificuldades para comprar materiais com preço em conta, causando atraso na confecção das alegorias e fantasias. A mais prejudicada foi a Mangueira, que conseguiu superar os problemas de acabamento de suas alegorias com a garra de seus componentes na avenida, e obteve a honrosa sexta colocação. Salgueiro volta a vencer depois de 16 anos com um belíssimo desfile falando sobre o tambor. União da Ilha volta ao Grupo Especial.

FONTE: APOTEOSE.COM - O POINT DO SAMBA NA NET
Disponível pelo site: http://www.apoteose.com/ Acesso em: 10/01/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGENDA DA SEMANA DO BLOG RESPIRANDO CARNAVAL:

CONFIRA DA AGENDA DA SEMANA DO BLOG RESPIRANDO CARNAVAL:
CLICA AQUI E VER A AGENDA

CONFIRA DA AGENDA DA SEMANA DA MUSA DO BLOCO BURLESCO E BLOG RESPIRANDO CARNAVAL:
CLICA AQUI E VER A AGENDA


OBS: ENTRE CONTATO CLICA AQUI E BASTA PREENCHER OS DADOS E PASSA A AGENDA AS INFORMAÇÕES DA SUAS ESCOLAS DE SAMBAS E BLOCOS BURLESCO PRA NÓS DIVULGAR AQUI.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Tags BLOG RESPIRANDO CARNAVAL

NOTÍCIAS ESCOLA DE SAMBA ESPECIAL SAMBA NO PÉ GAÚCHA NO CARNAVAL PROGRAMA GAÚCHA NO CARNAVAL RÁDIO GAÚCHA AM 600 kHz E FM 93.7 mHz UNIDOS DA SÃO GABRIEL MIRIM UNIDOS DO PROMORAR RÁDIO DIFUSORA AM 1.580 kHz BLOCOS ACADÊMICOS DO GRANDE ARROIO AMIGOS DO PIPOQUINHA ANIVERSÁRIO CLUBES BLOG RESPIRANDO CARNAVAL LETRA DO SAMBA CLUBE CAIXEIRAL 1 WEB RÁDIO RESPIRANDO CARNAVAL GLOBELEZA WEB RÁDIO ENTREVISTA PROGRAMA RESPIRANDO CARNAVAL PROGRAMA PRÉ CARNAVAL PROGRAMAS BLOCO LULUZINHA LIESAG BLOCO CATURRA CARNAVAL DE RECIFE SEMENTES DO AMANHÃ JORNAL BLOCO AS VENENOSAS RECIFE BLOCO DO CAROÇO CORTE MUNICIPAL UNIDOS DA SÃO JOSÉ EM NOTA JORNAL CORREIO DO SUL REGIONAL BAILE MUNICIPAL DE CARNAVAL BLOCO DO SACY CARNAVAL DE OLINDA OLINDA RÁDIO STÚDIO FM 104.9 mHz RAÍZES DO ARROIO GRANDE LETRA DA SAMBA NO PÉ UNIDOS DA PONTE RESGATANDO A HISTÓRIA CARNAVAL 2016 IMPÉRIO DO SUL LETRA DA UNIDOS DA SÃO GABRIEL PROGRAMA EXPRESSO NOTURNO RÁDIO UNIVERSIDADE AM 1.160 kHz CORTE MUNICIPAL MIRIM ANIVERSÁRIO DE SEMENTES DO AMANHÃ CARNAVAL 2015 COLUNA RESPIRANDO CARNAVAL GLOBELEZA 2017 ENQUETE GLOBELEZA 2016 LETRA DA ACADÊMICOS DO GRANDE ARROIO LETRA DA UNIDOS DO PROMORAR CARNAVAL 2017. AO VIVO CARNAVAL 2018. RÁDIO DIFUSORA AM 1.580 kHz E FM 106.3 mHz CLUBE DO COMÉRCIO LIBBAG WEB RÁDIO CARNAVAL CARIOCA CARNAVAL 2014 CLUBE GUARANY GLOBELEZA 2014 AUDIO ENCONTRO DE BLOCOS BURLESCOS CARNAVAL 2010 CARNAVAL 2011 CARNAVAL 2017 ANIVERSÁRIO DO BLOG RESPIRANDO CARNAVAL BLOCO BURLESCO RESPIRANDO CARNAVAL CLUBE CAIXEIRAL LETRA DO AMIGOS DO PIPOQUINHA LETRA DO SAMBA 2011 WEB RÁDIO CARNAVALESCO ANIVERSÁRIO DA RAÍZES DO ARROIO GRANDE ANIVERSÁRIO DA SAMBA NO PÉ ANIVERSÁRIO DO UNIDOS DA PONTE ANIVERSÁRIO DO UNIDOS DA SÃO GABRIEL ANIVERSÁRIO DO UNIDOS DA SÃO JOSÉ ANIVERSÁRIO DO UNIDOS DO PROMORAR CARNAVAL 2009 CARNAVAL 2012 CARNAVAL 2013 ANIVERSÁRIO DA ACADÊMICOS DO GRANDE ARROIO APARTIR DE HOJE JÁ COMEÇA O ENSAIO DAS ESCOLAS DE SAMBAS JORNAL MERIDIONAL LESAG MUAMBA POPULAR CARNAVAL PROGRAMA ESQUENTANDO OS TAMBORINS ANO NOVO FELIZ NATAL LETRA DO SAMBA 2010 LETRA DO SAMBA 2012 LETRA DO SAMBA 2014 LETRA DO SAMBA 2015 RETROSPECTIVA CARNAVAL 2019 PRIMEIRO DIA DO ANO TEMPORADA 2008 TEMPORADA 2013/2014 ANIVERSÁRIO DO IMPÉRIO DO SUL CARNAVAL 2018 CLIPE DAS ESCOLAS DE SAMBA DECRETO GLTC LETRA DA SEMENTES DO AMANHÃ LETRA DO SAMBA 2009 LETRA DO SAMBA 2013 LETRA DO SAMBA 2016 LETRA DO SAMBA 2017 LETRA DO SAMBA 2019 LIBAG NOTA DAS CADEIRAS RESGATANDO A HISTÓRIA DA SAMBA NO PÉ VANDERLEI SOARES APLICATIVOS CELULARES GLOBELEZA 2018 GRUPO BLOCH JORNAL A EVOLUÇÃO LETRA DO SAMBA 2018 REDE MANCHETE RESGATANDO A HISTÓRIA DA UNIDOS DA SÃO GABRIEL RESGATANDO A HISTÓRIA DA UNIDOS DA SÃO JOSÉ RESGATANDO A HISTÓRIA DA UNIDOS DO PROMORAR RÁDIO DIFUSORA FM 106.3 mHz SUPER RÁDIO TUPI AM 1280 kHz e FM 96.5 mHz TUPI CARNAVAL TOTAL ANIVERSÁRIO DO AMIGOS DO PIPOQUINHA BLOCO BANDA DO TICÃO COLUNA A EVOLUÇÃO NO CARNAVAL COMUNICADO MUSA DO BLOCO BURLESCO E BLOG RESPIRANDO CARNAVAL ORDEM DOS DESFILES OS PARCEIROS DO BLOG RESPIRANDO CARNAVAL TEMPORADA 2006 TEMPORADA 2007 ANIVERSÁRIO DA WEB RÁDIO RESPIRANDO CARNAVAL DEFENSORES DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL DE ARROIO GRANDE FOI NO CARNAVAL QUE PASSOU... LETRA DA RAÍZES DO ARROIO GRANDE LETRA DO SAMBA UNIDOS DA SÃO JOSÉ APRENDIZES DO SAMBA BLOCO AMIGOS DA 15 GLOBELEZA 2015 PORTAL TERRA DE MAUÁ PROGRAMA SAMBA DE PRIMEIRA RIO DE JANEIRO RÁDIO GLOBO AM 1220 kHz e FM 89.5 mHz ARROIO GRANDE BARÃO DE MAUÁ CARNAVAL RECIFE PROGRAMA TOQUE POPULAR RÁDIO GUAÍBA AM 720 kHz e FM 101.3 mHz SORTEIO DA ORDEM DOS DESFILES TRIO ELÉTRICO VISCONDE DE MAUÁ ANGELA MARIA AYTON SENNA BLOCO BOHEMIOS BLOCO DA SERAFINA BLOCO KALILA BLOCO TNT BLOCO UDT BLOCO XUSMERIO DA NEGRINHA CARNAVAL 2020 CARNAVAL DA MANCHETE CLASSIFICADOS DA ESCOLAS DE SAMBA ESTAÇÃO PRIMEIRA DA ZONA NORTE GTC LETRA DO IMPÉRIO DO SUL LIESA MEMÓRIA DO CARNAVAL PROGRAMA SAMBA DE ENREDO DE ARROIO GRANDE REDE CNT REVISTA MANCHETE RÁDIO BANDEIRANTES AM 640 KHZ E FM 94.9 MHZ RÁDIO CHARRUA AM 1.140 kHz E FM 97.7 mHz RÁDIO MANCHETE AM 760 kHz RÁDIO PELOTENSE AM 620 kHz S. ROSAS DE OURO SBT SONHO DE CRIANÇA TRIO ELÉTRICO PROIBIDOS TVCOM WEB RÁDIO ARQUIBANCADA